quinta-feira, 9 de março de 2017

Champagne

Arrumei a mesa, nossos lugares um de frente para o outro. Na cozinha, em meio a um pouco de bagunça e manchas de molho na pia e no chão, me desdobrei em vários pra conseguir terminar o jantar.

Eram quase oito, você estava pra chegar e eu nem havia tomado banho ou, sequer, arrumado a casa – que estava bem bagunçada. Blusa e calça jogados no sofá, um pouco de poeira no chão, meu quarto bem bagunçado e, fechando com chave de ouro, o banheiro precisava urgentemente ser arrumado. Coisas de homem, você pensaria ao ver a casa naquele estado, mas a verdade era que eu mal ficava ali, não havia porquê. Sua cama era melhor que a minha.

Tive a certeza de que, por você, eu era capaz de qualquer coisa. A casa parecia nova, como se eu tivesse contratado alguém disposto o bastante a organizar e trazer vida de volta ao ambiente, e com toda certeza você não acreditaria que eu fiz aquilo tudo sozinho e em quarenta minutos.

A campainha tocou, o que foi um descuido do porteiro pois eu havia pedido que avisasse sobre sua chegada. Dei o último retoque no cabelo, aquela checada prática do hálito – como sempre, impecável – e fui, então, ao seu encontro. Seu sorriso lindo, acompanhado de um olhar indireto sob o cabelo levemente caído no rosto, me deixaram sem ação por alguns instantes até que, terminando de fitar seu vestido rosa claro que compramos na última viagem juntos. Você estava linda, a mais linda!

Imediatamente te levei à mesa e fui em direção da cozinha. Discretamente observava você, pela porta da cozinha, admirada com a organização da casa – como eu havia previsto. O jantar estava na mesa, você, mais uma vez, admirada com a aparência do prato levantou o olhar:

- Por que tudo isso?
- Por você. Ontem, hoje e sempre.
- Então...

Me levantei e fui até a cozinha. Voltei com uma garrafa daquele champanhe que você mais gosta e uma caixinha escondida por um lenço. Dentro dela, só você saberia o que há. Seu sorriso, ao abri-la, evidenciou a surpresa e, arrisco eu, a felicidade no presente.

Presente, que já fora passado e, agora, seria futuro. Nosso futuro.

Um sorriso, um beijo, risadas, abraços, um pouco de sujeira e, finalizando a noite, a cama desarrumada.

Por mais noites como essa, com você. Faço jantar, limpo a casa, me desdobro em quantos for preciso.


Por você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário